Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘frança’

neymar3

Neymar comemorando a classificação épica

Em um dia que vai ficar marcado na história do futebol europeu, numa virada jamais vista na Copa dos Campeões Europeus, Neymar foi o protagonista, a estrela, o mágico da noite.

O jogo começou com o Barcelona abafando o covarde PSG, em 2 minutos, Suárez já inaugurava o marcador, até aí tudo bem, confesso que estava torcendo para os amarelões de Paris, mas veio o segundo gol contra ou talvez tenham dado ao Iniesta, que é o verdadeiro comandante desta equipe, se ele não jogar em alto nível, o Barcelona não anda, pois é… ontem o Iniesta estava naqueles dias dignos de um campeão do mundo que é, lembrando que ele fez o gol decisivo contra a Holanda na Copa do Mundo 2010 na África do Sul.

iniesta

Lance do gol de Iniesta na final da Copa 2010

E começa o segundo tempo, eu ainda não acreditando que o Barça iria conseguir alguma coisa, eis que surgi o famoso pênalti no Neymar, uns jornalistas desavisados ou que não entendem nada de futebol mesmo, afirmaram que o Neymar simulou, piscinou, que é um cai-cai, todos errados… O marcador escorregou e derrubou o antigo garoto da Vila, pois bem, 3 x 0 Barcelona… A cara dos jogadores do PSG já indicavam que eles queriam estar em qualquer lugar menos naquele famigerado jogo. Eis que o PSG teve um minuto de inspiração e conseguiu marcar um gol, o estádio virou uma lamentação, a cara de desânimo dos torcedores do Barça era bem nítida, desilusão total, e o tempo passava… Iniesta saiu, pensei: “agora acabou mesmo, sem o comandante já era” O técnico Luiz Henrique começou a colocar todo o time no ataque e abriu a defesa para os amarelões, quer dizer, o PSG afundar o Barça de vez, tiveram a chance disso, mas aí que entra o tal juiz na história, um pênalti claríssimo de Mascherano em Di Maria não marcado, mas o tempo passou e já passava dos 40, pensei “Já era”.

neymar

Neymar consola Thiago Silva do PSG

A partir deste momento o jogo ficou maluco, alguns poderiam dizer: “Isso só acontece em filmes mesmo.” Mas não era um filme como “Fuga para Vitória”, onde Pelé é um dos protagonistas, e sim a realidade desenhada em 8 minutos.

Neymar estava em um daqueles dias, incorporou o mais magistral de todos os tempos, o Rei Pelé, só ele era capaz de fazer coisas impossíveis, Neymar fez o impossível.

Aos 42 minutos cobrou uma falta espetacular no ângulo, coisa de cinema, a torcida só bateu palmas e nem comemorou realmente, passou uns minutos e o juiz, que parecia ter uma simpatia pelo Barcelona, marca o pênalti “mandrake” no Súarez, Neymar pegou a bola e guardou, Barça 5 x 1 PSG.

neymar34

Neymar faz o gol e corre para o meio de campo para recomeçar rapidamente o jogo

Quando vi o juiz marcar 5 minutos de acréscimo, ferrou (claro que foi outro palavrão), já estava achando que o PSG estava merecendo tomar o sexto gol, um time não pode tomar 5 gols numa classificação mata-mata.

Eis que o quase inacreditável aconteceu, Neymar cobrou a falta, a defesa rebateu e  voltou para o iluminado, ele tirou o marcador, observou a área, viu o posicionamento dos companheiros, e com o pé esquerdo, levantou a bola para  Sergi Roberto que marcou o gol milagroso para o Barcelona.

segi

O momento em que Sergi Roberto faz o gol da classificação histórica

Não sou um amante e nem puxa saco de times europeus, dificilmente acompanho os campeonatos, mas esse jogo foi marcante para todos que acompanharam, mexeu com todo o mundo do futebol. Essa é a visão simples de um amante do futebol e do meu Corinthians.

Read Full Post »

top100

O jornal The Guardian divulgou uma lista com os 100 melhores jogadores de todas as Copas do Mundo. Com Pelé na primeira colocação, o jornal elegeu 22 jogadores brasileiros entre os 100 maiores da história de todas as Copas.

Para a eleição, o jornal contou com 40 juízes entre ex-jogadores e jornalistas. São seis ex-jogadores, com o alemão Lothar Matthäus e o brasileiro Zico entre eles. Dentre os jornalistas, foram escolhidos correspondentes do jornal inglês pelo mundo, como o brasileiro Fernando Duarte, e especialistas de outros meios.
Além de Pelé, na primeira colocação, o Brasil ainda teve Ronaldo em 4°, Garrincha em 9° e Jairzinho em 13°. Maradona, Beckenbauer e Zidane completaramo top-5 da lista.
Dentre os 20 primeiros, apenas Cruyff, Platini, Eusébio, Maldini e Fontaine não conquistaram uma Copa do Mundo, mas se destacaram por outros motivos.

Algumas colocações podem ser bem contestadas, como Tostão pode estar atrás de Messi e Cristiano Ronaldo? Garrincha não pode ficar atrás de Cruyff, mas os brasileiros são a maioria entre tantas nacionalidades.

Pelé_1960

Lista Completa:

1 Pelé; 2 Maradona; 3 Beckenbauer; 4 Ronaldo; 5 Zidane; 6 Cruyff; 7 Matthäus; 8 Müller; 9 Garrincha; 10 Platini; 11 Eusébio; 12 Paolo Maldini; 13 Jairzinho; 14 Bobby Charlton; 15 Xavi; 16 Romário; 17 Just Fontaine; 18 Paolo Rossi; 19 Dino Zoff; 20 Bobby Moore; 21 Puskas; 22 Zico; 23 Ronaldinho; 24 Roberto Baggio; 25 Cafu; 26 Cannavaro; 27 Rivaldo; 28 Zagallo; 29 Johan Neeskens; 30 Lev Yashin; 31 Mario Kempes; 32 Rivelino; 33 Cristiano Ronaldo; 34 Carlos Alberto Torres; 35 Roberto Carlos; 36 Roger Milla; 37 Paul Breitner; 38 Thuram; 39 Rummenigge; 40 Giuseppe Meazza; 41; Gordon Banks; 42 Oliver Kahn; 43 Boniek; 44 Buffon; 45 Passarella; 46 Baresi; 47 Gary Lineker; 48 Djalma Santos; 49 Nilton Santos; 50 Uwe Seeler; 51; Messi; 52 Tostão; 53 Andreas Brehme; 54 Geoff Hurst; 55 Sepp Maier; 56 Stoichkov; 57 Vavá; 58 Kocsic; 59 Figo; 60 Desailly; 61 Hagi; 62 Giuseppe Bergomi; 63 Fritz Walter; 64 Puyol; 65 Iniesta; 66 Paul Gascoigne; 67 Lato; 68 Varela; 69 Juan Schiaffino; 70 Ghiggia; 71 Helmut Rahn; 72 Frank de Boer; 73 Ruud Krol; 74 Figueroa; 75 Leônidas da Silva; 76 Popescu; 77 Cubillas; 78 Okocha; 79 Didi; 80 Gianni Rivera; 81 Sergio Batista; 82 Belanov; 83 Schillaci; 84 Sneijder; 85 Belinni; 86 Del Piero; 87; Luis Monti; 88 Thomas N’Kono; 89 Claudio Gentile; 90 Bebeto; 91 Hector Chumpitaz; 92 Dragan Stojkovic; 93 Matthias Sindelar; 94 Dasayev; 95 Lahn; 96 Klinsmann; 97 Antonio Cabrini; 98 Leonardo; 99 Facchetti; 100 Tomas Brolin.

Read Full Post »

O-PIG-Copa-do-mundo-2014-Brasil

No primeiro grande evento de “aquecimento” para a Copa do Mundo de 2014, realizado na Costa do Sauípe, na Bahia, a Fifa divulgou algumas mudanças nos critérios para o sorteio dos grupos da primeira fase do Mundial.

A imprensa já começou as suas análises. Os torcedores já estão na expectativa. Sexta-feira todas as dúvidas acabarão. O sorteio final do dia 6 de dezembro determinará os oito grupos que darão forma à Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. O que você quer saber sobre essa data tão importante do calendário futebolístico? A seguir, respondemos a todas as suas dúvidas.

FBL-WC2014-BRAZIL-FINAL-DRAW-PREPARATIONS

Quem serão os cabeças de chave?

O Brasil, como país anfitrião, e também Alemanha, Argentina, Bélgica, Colômbia, Espanha, Suíça e Uruguai, seleções de melhor colocação no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola do mês de outubro de 2013.

Em que horário o sorteio começará?

A cerimônia do sorteio final terá início às 13h no horário local, 14h no horário de Brasília.

Onde ocorrerá o sorteio?

O evento será realizado na Costa do Sauipe, resort localizado em Costa dos Coqueiros, um local privilegiado do litoral da Bahia, 76 quilômetros ao norte de Salvador.

costadosauípe

Costa do Sauípe

Quem conduzirá o sorteio?

O secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, será o encarregado de dirigir o sorteio e contará com a ajuda de assistentes de luxo: o ídolo uruguaio Alcides Ghiggia, o inglês Geoff Hurst, o brasileiro Cafu, o italiano Fabio Cannavaro, o argentino Mario Kempes, o espanhol Fernando Hierro, o francês Zinedine Zidane e o alemão Lothar Matthäus.

zidane-1308756

Como estão distribuídos os potes?

Pote 1 (cabeças de chave)

Brasil, Argentina, Uruguai, Colômbia, Bélgica, Suíça, Alemanha e Espanha

Pote 2 (seleções da África e América do Sul)

Argélia, Camarões, Costa do Marfim, Gana, Nigéria, Chile e Equador

Pote 3 (seleções da Ásia e a da América do Norte, América Central e Caribe)

Austrália, Irã, Japão, Coreia do Sul, Costa Rica, Honduras, México e Estados Unidos

Pote 4 (seleções da Europa)

Bósnia e Herzegovina, Croácia, Inglaterra, França, Grécia, Itália, Holanda, Portugal e Rússia.

copa_do_mundo-de-2014_Potes

Como se desenrolará o torneio?

As equipes do Pote 1 entrarão automaticamente na posição 1 do respectivo grupo em que forem sorteadas. O Brasil ficará automaticamente na posição 1 do Grupo A.

O primeiro passo do sorteio será tirar uma equipe do Pote 4 (o único com nove seleções) e colocá-la no Pote 2, para que todos os potes contenham oito bolinhas. A seguir, ocorrerá o sorteio dos países do Pote 1, colocando o Brasil na posição 1 do Grupo A e os outros cabeças de chave na posição 1 das demais chaves de forma consecutiva, até o Grupo H.

O Pote 2, com equipes de três confederações, traz em tese o risco de violar o princípio da separação geográfica. Para evitar que haja um grupo com três equipes europeias, as quatro seleções sul-americanas cabeças de chave serão colocadas em um Pote X. Desse pote será retirada uma bolinha que determinará o grupo em que estará a seleção europeia do Pote 2. A seguir, serão sorteadas as seleções do Pote 2. A equipe europeia irá para o grupo já determinado, e as restantes completarão os grupos de A a H, sequencialmente.

COPA

É preciso lembrar que alguns grupos podem ser “pulados” para que o princípio da separação geográfica seja respeitado — evitando assim que Chile e Equador entrem em grupos com seleções sul-americanas cabeças de chave.

Depois, serão sorteados os Potes 3 e 4.

A posição das seleções dentro dos grupos também será sorteada — exceto as dos cabeças de chave, como já mencionamos.

Como poderei acompanhar o sorteio?

32-paises-copa

O sorteio será transmitido ao vivo pela TV aberta em nada menos que 193 países. O FIFA.com começará às 9h (horário local) uma cobertura completa que poderá ser acompanhada também por meio do FIFA App. Além disso, você terá informações pontuais do evento na nossa conta no Twitter e na página do Brasil 2014 no Facebook.

Haverá um espetáculo durante o sorteio?

Alcione1

Alcione

Sim. Serão várias atrações musicais: Alcione e Emicida, a dupla Vanessa da Mata e Alexandre Pires, a famosa coreógrafa Deborah Colker e os baianos Margareth Menezes e Olodum.

Read Full Post »

Em ano de copa é diferente, sempre gostei de futebol, sou corintiano roxo, mas a copa do mundo é um evento especial, eu costumava gravar vários jogos das copas, tenho todos os jogos do Brasil das copas de 1994, 2002 e 2006, fora alguns de outras seleções, e com certeza, vou gravar a deste ano, mas já que é a primeira copa do mundo, depois que fiz o blog, não poderia deixar de fazer umas máterias sobre este grande assunto do ano.

COPA DO MUNDO DE 1930

SEDE: URUGUAI

PARTICIPANTES: 13 PAÍSES

CAMPEÃO: URUGUAI

VICE CAMPEÃO: ARGENTINA

COLOCAÇÃO DO BRASIL: ELIMINADO NA 1º FASE

A Copa do Mundo FIFA de 1930 foi a primeira Copa do Mundo de Futebol realizada. Foi sediada no Uruguai de 13 de julho a 30 de julho. A FIFA escolheu o Uruguai como sede numa conferência em Barcelona em 18 de maio de 1929 pois o país celebraria o centenário de sua independência e a Seleção Uruguaia de Futebol vinha de dois títulos olímpicos.

Treze equipes participaram. Nove das Américas e quatro da Europa. Poucas equipes europeias decidiram participar por causa dos custos e da duração da viagem. As duas primeiras partidas da história da Copa do Mundo ocorreram simultaneamente e foram vencidas pela França e pelos Estados Unidos, que bateram respectivamente o México por 4 a 1 e a Bélgica por 3 a 0. O primeiro gol das Copas foi marcado por Lucien Laurent da França. Na final, o país-sede e favorito Uruguai bateu a Argentina por 4 a 2 em frente a uma torcida de 93.000 pessoas e se tornou a primeira nação a vencer uma Copa do Mundo.

Uma briga entre cartolas paulistas e cariocas impediu que a seleção brasileira levasse sua força máxima ao Mundial. Um único paulista, Araken, integrou a delegação.

OS PARTICIPANTES

A primeira Copa do Mundo foi a única sem Eliminatórias. Todos os países afiliados à FIFA foram convidados a competir. 28 de fevereiro de 1930 foi a data estabelecida para que os times se registrassem para o torneio no Uruguai. Brasil, Argentina, Peru, Paraguai, Chile, Bolívia, Estados Unidos e México se inscreveram a tempo, mas a data se passou sem que uma nação do outro lado do Oceano Atlântico se inscrevesse. Uma vez que viagens trans-atlânticas eram longas e caras, poucas equipes européias se interessaram o bastante para competir. A Asociación Uruguaya de Fútbol chegou a mandar uma carta à Football Association (à época ainda não filiada à FIFA). O convite foi declinado pelo comitê da FA em 18 de novembro de 1929 [1]; até dois meses antes do início do torneio, nenhuma seleção européia tinha oficialmente se inscrito. O presidente da FIFA Jules Rimet interveio, junto com o governo uruguaio, prometendo custear as despesas de viagem de qualquer equipe européia.

Quatro times europeus acabaram viajando: Bélgica, França, Romênia e Iugoslávia. Os romenos (que pederam para a Iugoslávia um mês antes da competição mas venceriam a Copa dos Balcãs em 1931), dirigidos por Constantin”Costel” Radulescu e treinados pelo capitão Rudolf Wetzer e Octav Luchide, embarcaram o SS Conte Verde em Gênova. Os franceses embarcaram em Villefrance-sur-Mer em 21 de junho de 1930 [2]; e os belgas embarcaram em Barcelona.[5] O Conte Verde seria o mesmo barco pelo qual viria Jules Rimet, a taça e três árbitros europeus: os belgas Jean Langenus e Henri Christophe além de Thomas Balway, um parisiense de possível origem inglesa. O Brasil pegou o mesmo barco quando este atracou no Rio de Janeiro em 29 de junho de 1930 antes que ele chegasse ao Uruguai em 4 de julho de 1930. Foi no Rio que Balway soube que esposa havia morrido na França. Os iugoslavos viajaram no navio correio “Florida” partindo de Marselha.

A COMPETIÇÃO

Os treze times foram divididos em quatro grupos, como todos os jogos se realizando na capital uruguaia, Montevidéu. Uruguai, Argentina, Brasil e EUA foram designados cabeças-de-chave. Uma vez que não houve Eliminatórias para esta Copa, as duas partidas de abertura do torneio foram as primeiras partidas da história das Copas, sendo realizados simultaneamente em 13 de julho; a França bateu o México por 4 a 1 no Estádio Pocitos, enquanto os Estados Unidos derrotaram a Bélgica por 3 a 0 ao mesmo tempo no Estádio Gran Parque Central. O francês Lucien Laurent foi o marcador do primeiro gol da história das Copas do Mundo. Laurent depois diria: “Estávamos enfrentando o México e estava nevando, uma vez que era inverno no hemisfério sul. Um dos meus colegas de time cruzou a bola e eu segui seu caminho cuidadosamente, dando um voleio com meu pé direito. Todos ficamos felizes mas não ficamos rolando pelo chão – ninguém percebeu que estávamos a fazer história. Um rápido aperto de mãos e voltamos pro jogo. E não houve nenhum bonus; éramos todos amadores àquela época”.

Um belissímo video da copa de 1930:

FINAL

A final marcou o reencontro entre os finalistas dos Jogos Olímpicos de 1928, Uruguai e Argentina. Uma vez que a disputa do terceiro lugar não se estabeleceu até a Copa seguinte, a Copa de 1930 é única no fato em que não ocorreram partidas entre as semi-finais e a final. Porém, algumas fontes, notadamente um Boletim da FIFA de 1984, afirmam que houve sim uma partida do terceiro lugar e que foi vencida por 3 a 1 pela Iugoslávia. Essa informação nunca foi oficialmente confirmada.

A final foi disputada no Estádio Centenário em 30 de julho. Os portões do estádio foram abertos às oito da manhã, seis horas antes do pontapé inicial, e ao meio-dia os lugares estavam tomados, oficialmente comportando 93.000 pessoaas. Antes do início da partida ocorreu uma discordância em relação a bola que seria usada na partida, forçando a FIFA a interferir decretando que a bola argentina seria usada no primeiro tempo e uma uruguaia no segundo. O jogo acabou 4 a 2 para os uruguaios (que perdiam de 2 a 1 no intervalo) que adicionaram ao seu palmarés o título de campeões do mundo, assim que Jules Rimet os presenteou com a Copa do Mundo, que seria depois nomeada em sua homenagem. O dia seguinte à partida foi declarado feriado nacional no Uruguai; em Buenos Aires arruaceiros jogaram pedras no consluado uruguaio.

COPA DO MUNDO DE 1934

SEDE: ITÁLIA

PARTICIPANTES: 16 PAÍSES

CAMPEÃ: ITÁLIA

VICE-CAMPEÃO: TCHECOSLOVÁQUIA

COLOCAÇÃO DO BRASIL: NÃO PASSOU DA PRIMEIRA FASE

A Copa do Mundo de 1934 foi a primeira na qual os países tiveram que se classificar na disputa das Eliminatórias para poder participar. O número de nações participantes desta vez dobrou em relação à edição anterior, sendo que 70% das 32 nações eram do continente Europeu.

O Mundial de 1934 como o de 1938 teve interesses políticos em jogo: o regime fascista subjugava a Itália, e o ditador Benito Mussolini planejou transformar o evento numa espécie de propaganda pró-regime. A influência indiscutível de Mussolini se impôs em diversos aspectos, como por exemplo a escolha pré-determinada de árbitros “suspeitos” nas partidas da anfitriã Itália. O sueco Ivan Eklind, que apitou a semifinal e a final, teria se encontrado com Mussolini antes das partidas. Misteriosamente, decisões polêmicas foram tomadas, sempre em favor da Itália ( expulsões e gols anulados de adversário.) Alguns árbitros influenciaram tanto nos resultados da Itália que foram expulsos por suas pátrias após o torneio, caso do suíço René Mercet e do belga Luis Baert.

Duas peculiaridades marcaram a Copa do Mundo de 1934: O defensor do título, Uruguai, recusou o convite para participar, num boicote aos europeus por terem ignorado a edição anterior, em 1930 (Apenas 4 seleções européias participaram do torneio: Bélgica, França, Iugoslávia e Romênia), tornando-se assim o único defensor de título que não competiu no torneio seguinte. Além disso, a anfitriã Itália teve que passar pelas Eliminatórias, na única ocasião em que um país-sede precisou disputar Eliminatórias.

O modelo do mundial aconteceu em estilo “mata-mata”, composto por 5 fases com os confrontos das oitavas definidos por sorteio: Oitavas, Quartas, Semifinal, Disputa do 3º Lugar (ausente em 1930) e Final. Participaram doze seleções européias: Áustria, Tchecoslováquia, Alemanha, Hungria, Itália, Espanha, Suécia, Suíça, França, Romênia, Bélgica e Holanda; Duas sul-americanas: Brasil e Argentina; Uma norte-centro-americana: Estados Unidos e uma africana: Egito.

A maior goleada da Copa ocorreu logo na primeira fase, Itália 7×1 Estados Unidos. O Brasil, outra vez desfalcado devido às eternas brigas entre cariocas e paulistas, deu vexame: Perdeu por 3 x 1 da Espanha e voltou para casa. Outra decepção foi a Argentina, vice-campeã do mundo, que foi eliminada pela Suécia por 3 x 2. As grandes forças Mundial de 1934 eram a Itália, a Espanha, a Hungria e a Tchecoslováquia.

O primeiro jogo-desempate da história das Copas foi entre Itália e Espanha. No primeiro jogo, empate em 1 x 1 após a prorrogação (neste tempo ainda não havia disputa por pênaltis). No desempate, deu Itália: 1 x 0. Nas semifinais, em Milão a Itália venceu a Áustria por 1×0 e em Roma a Tchecoslováquia bateu a Alemanha por 3 x 1. Na Disputa pelo 3º lugar a Alemanha venceu a Áustria por 3×2.

A final foi disputada no Estádio Olímpico de Roma, sob presença do imponente Mussolini e de outros 50 mil espectadores. A Itália empatou o jogo com a Tchecoslováquia no tempo normal, e na prorrogação Angelo Schiavio fez o gol do título italiano: 2×1.

Tabela da copa 1934(clique para ampliar):

CURIOSIDADES

* O jogador Monti, campeão pela Itália, é o mesmo Monti que ficou com o vice-campeonato pela Argentina quatro anos antes. Descendente de italianos, ele foi para a Europa a convite de Mussolini, que queria reforçar a Azzurra com sul-americanos filhos de italianos. Pelo mesmo motivo, o ex-corintiano Filó também defendeu a seleção italiana, usando seu sobrenome Guarisi. Com isso, ele se tornou o primeiro brasileiro a ser campeão mundial de futebol. Além de Monti e Guarisi, a seleção italiana contava com os naturalizados Guaita e Orsi, ambos argentinos.

* Apesar de ser sede do Mundial, a Itália teve de disputar as Eliminatórias. Venceu a Grécia por 4 x 0 em Milão.

* A Palestina disputou as Eliminatórias. Na época, Israel ainda não havia sido criado e a Palestina era uma nação de árabes e judeus. Porém, apenas os judeus integraram a seleção que foi desclassificada pelo Egito.

* Como o Brasil, a Argentina também foi para a Itália com uma seleção fraca. Os grandes clubes do país haviam se profissionalizado e criado uma liga não-reconhecida pela FIFA. Assim, os platinos foram representados por jogadores amadores, vindo de clubes como Dock Sud, Sarmiento, Defensores de Belgrano e Desamparados.

* Como na edição anterior em 1930, todos os vencedores de jogos eliminatórios foram conhecidos nos 90 minutos regulamentares, foi nessa Copa que ocorreu a primeira prorrogação da história. No jogo Áustria e França nas oitavas-de-final, houve empate em 1-1 após os 90 minutos. Na prorrogação a Áustria chegou a fazer 3-1. A França diminuiu, e apertou o time austríaco até o fim da prorrogação sem conseguir o empate. Resultado: 3-2 para a Áustria, que foi para as quartas-de-final.

* Nesta Copa também ocorreu o primeiro jogo desempate da história das Copas. Itália e Espanha empataram em 1-1 após a prorrogação. Dois dias depois, as duas equipes vieram a campo com desfalques. Principalmente a Espanha, que não pôde contar com o goleiro e capitão Ricardo Zamora, que, de tanto apanhar no primeiro jogo, não teve como jogar o desempate. Resultado: 1-0 para os italianos, que foram às semifinais.

* Na disputa do 3º lugar entre Alemanha e Áustria, as seleções não haviam levado jogo de uniformes reserva (ambas equipes eram alvinegras). Os austríacos, então, usaram a camisa do Napoli.

* Waldemar de Brito, brasileiro que perdeu o pênalti contra a Espanha, foi o responsável por descobrir Pelé no Bauru Atlético Clube e levá-lo ao Santos Futebol Clube em 1956.

* O Uruguai, campeão da edição anterior, não defendeu seu título por ressentimento dos europeus, que não haviam prestigiado a Copa de 1930.

COPA DO MUNDO DE 1938

SEDE: FRANÇA

PARTICIPANTES: 16 PAÍSES

CAMPEÃ: ITÁLIA

VICE-CAMPEÃ: HUNGRIA

COLOCAÇÃO DO BRASIL: 3º LUGAR

A Copa do Mundo de 1938 foi a terceira Copa do Mundo disputada, e contou com a participação de 16 países. 37 países participaram das eliminatórias. O campeonato ocorreu na França.

Foi um mundial tenso, marcado pela gravíssima situação internacional, que levaria a Europa e o mundo à Segunda Guerra Mundial, pouco mais de um ano depois do certame. A Áustria que fora anexada pela Alemanha de Hitler não participou do mundial, pois foi obrigada à ceder seus jogadores à seleção alemã. As grandes forças do mundial eram a Itália, campeã mundial, a Hungria, a Tchecoslováquia e o Brasil. Foi a primeira copa em que o Brasil realmente se organizou, evitando as eternas e infrutíferas brigas entre cariocas e paulistas. O Brasil tinha um grande jogador, o 1º grande gênio da seleção em copas, Lêonidas da Silva. Na estréia um épico, Brasil 6 x 5 Polônia. Um jogo cheio de alternativas decidido só na prorrogação. Uma guerra, com vários jogadores contundidos em ambas as equipes. Durantes as Oitavas aconteceu a primeira grande zebra em copas, empate de 3 x 3 entre Cuba e Romênia. No jogo desempate deu Cuba por 2 x 1. A Suíça empata com a Alemanha em 1 x 1 e vence o jogo desempate por 4 x 2, despachando a seleção teuto-austríaca da copa. Os italianos venceram a Noruega por 2 x 1 e os húngaros golearam as Índias Holandesas (hoje Indonésia) por 6 x 0.

Nas quartas o Brasil jogou duas vezes contra a Tchecoslováquia, 1 x 1 e 2 x 1 (jogo desempate). A Itália eliminou a França , dona da casa, por 3 x 1. Os húngaros avançaram com seu futebol técnico eliminando a surpreendente Suíça por 2 x 0. O destaque coube à Suécia que não jogou as Oitavas (seu adversário seria a Áustria) que espantou a zebra cubana por 8 x 0. Na semifinal o Brasil, sem Leônidas (poupado), perdeu para a Itália, campeã mundial, por 2 x 1. Os húngaros confirmam sua força e goleam a Suécia por 5 x 1. A seleção brasileira ganhou da Suécia a decisão do 3º lugar por 4 x 2, na primeira grande participação canarinho em copas.

Na final, a Itália de Vittorio Pozzo, o técnico, e do grande Giuseppe Meazza, contra a forte Hungria. Itália 4 x 2 Hungria, e a Azzurra era o primeiro time a ser bicampeão mundial de futebol. Leônidas, o diamante negro, foi o artilheiro do mundial 38. Pozzo, até hoje, é o único técnico campeão mundial em duas oportunidades como treinador.

ELIMINATÓRIAS:

Um total de 37 equipes se inscreveram para a disputa das Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 1938, competindo por um total de 16 vagas na fase final. Pela primeira vez o atual campeão e o país-sede se classificaram automaticamente. Portanto, França, como sede, e Itália, os defensores do título, classificaram-se automaticamente, deixando 14 vagas em disputa.

Tabela da copa 1938(clique para ampliar):

CURIOSIDADES:

* O jornalista Vittorio Pozzo se tornou o primeiro (e até hoje único) técnico a conquistar mais de uma Copa. E o fez em torneios consecutivos.

* Contra a França, a Itália seria obrigada a usar uma camisa de outra cor, já que o azul estava reservado para a seleção da casa. Assim, os italianos se apresentaram com camisa, calção e meias negras, a cor do fascismo.

* A Áustria foi anexada pela Alemanha nazista em 1938 e deixou de ser um país independente. Por isso, seus jogadores foram incorporados pela seleção alemã e não pôde se apresentar contra a Suécia pelas oitavas-de-final. Foi o único W.O. da história das Copas.

* A Alemanha nazista se reforçou com jogadores austríacos em suas fileiras. Mas na sua partida de abertura, não passou de um empate em 1-1 com a Suíça. No jogo desempate, ocorrido cinco dias depois, a Alemanha chegou a abrir 2-0. Com o resultado, foi enviado um telégrafo a Adolf Hitler informando o resultado. Mas os suiços não se deixaram abater e viraram o placar, vencendo por 4-2, eliminando a equipe alemã.

* Cuba era a única equipe da Concacaf na competição. No jogo inicial conseguiram um empate em 3-3 com a Romênia. O destaque da equipe era o goleiro Benito Carvajales, que na partida impediu cinco gols certos dos romenos. Quatro dias depois, o goleiro não participou do jogo-desempate. Em seu lugar, jogou Juan Ayra. Carvajales estava comentando a partida para uma emissora de rádio de seu país. Neste jogo, Cuba eliminou a Romênia por 2-1, com gols de Héctor Socorro e Fernandez, com Dobay fazendo o gol romeno. Foi a primeira vez na história que uma equipe da Concacaf chegava às quartas-de-final do torneio.

* A Espanha era uma das favoritas ao Mundial, mas não pôde participar por estar vivendo sua Guerra Civil.

* O atacante polonês Ernst Wilimowski fez quatro gols na partida de estréia, mas sua seleção perdeu do Brasil por 5 x 6 e foi eliminada. Nenhum jogador tem uma média de gols por jogo tão alta em Copas.

* Nesse mesmo jogo, o Brasil usou pela primeira vez a camisa azul. Como seus adversários poloneses usavam camisas brancas (mesma cor que o Brasil usava na época), o jeito foi jogar com camisas azuis,sem escudo, que eram utilizadas nos treinamentos.

* Nesse mesmo jogo, o centroavante brasileiro Leônidas da Silva marcou um gol de pé descalço. No segundo tempo da partida, com a chuva que caiu no gramado, e o barro que inundou o campo, Leônidas teve a sua chuteira estourada, descolando a sola do cabedal. Enquanto sua chuteira era consertada, o atacante fez um gol sem as chuteiras, após o rebote de uma cobrança de falta.

* O Brasil enfrentou a Tchecoslováquia em Bordeaux, no jogo em que ficou conhecido como “Batalha Campal”. A fraca arbitragem do húngaro Paul Von Hertzka fez com que os jogadores de ambos os lados abusassem das jogadas duras. Resultado: 1-1 após a prorrogação, com Machado e Zezé Procópio do Brasil e Riha da Tchecoslováquia expulsos. O goleiro tcheco Frantisek Planicka deixou o campo com o braço quebrado, e o artilheiro tcheco Oldrich Nejedly levou tanto pontapé que acompanhou seu companheiro de equipe a caminho do hospital.

* Com o empate, foi realizada uma nova partida de desempate dois dias depois. As duas equipes levaram seus jogadores reservas. Para surpresa geral, esse jogo transcorreu em paz e calmaria. Deu Brasil, por 2-1, com gols de Leônidas da Silva e Roberto, com Kopecky marcando para os tchecos.

* Depois da vitória italiana sobre o Brasil, o jornal “La Gazzetta dello Sport”, influenciado pela ideologia fascista, escreveu: “Saudamos o triunfo da inteligência branca italiana sobre a força bruta dos negros”.

* A Itália era a única seleção com um avião à disposição para os deslocamentos dentro da França. As demais equipes tinham de usar trem ou ônibus.

* Mas nem tudo foram flores para a Itália. Após vencer a França nas quartas-de-final em Paris, a Itália foi obrigada a viajar para Marselha para enfrentar o Brasil nas semifinais. Durante o vôo o avião sofreu uma pane, e foi obrigado a pousar em Toulouse. A Itália teve que viajar até Marselha de trem.

* Foi a primeira Copa do Mundo transmitida por rádio para vários países do mundo. No Brasil, os mais antigos diziam que a voz do locutor falhava constantemente, as vezes por até um minuto acontecendo, inclusive, casos do gol narrado não chegar ao Brasil e o ouvinte só saber minutos depois com a reconfirmação do resultado final.

COPA DO MUNDO DE 1950

SEDE: BRASIL

PARTICIPANTES: 13 PAÍSES

CAMPEÃO: URUGUAI

VICE-CAMPEÃO: BRASIL

Durante a década de 1940 não se teve a realização das Copas previstas. A tragédia da Segunda Guerra Mundial mobilizou o mundo para o esforço de guerra e impediu a realização dos certames. A FIFA, entretanto, permaneceu mobilizada e tão logo quanto foi possível tratou de marcar a disputa da IV Copa em um país fora do continente europeu, ainda em reconstrução. A Copa do Mundo de 1950 contou com a participação de 13 países. Trinta e três participaram das eliminatórias. O campeonato ocorreria no Brasil. Para a ocasião, foi construído o Estádio Municipal do Rio de Janeiro, o Maracanã. O Brasil organizou um mundial que só foi superado décadas depois. O Brasil de Zizinho, Barbosa, Bauer e Ademir (que foi artilheiro da Copa) foi brilhante, mas perdeu na final para o Uruguai.

Por causa da Segunda Guerra Mundial, a Copa do Mundo não vinha sendo disputada desde 1938; as Copas do Mundo de 1942 e 1946 foram canceladas. Após a guerra, a FIFA desejava ressuscitar a competição assim que possível, e começaram a planejar a próxima copa.

No pós-guerra, a maior parte do continente europeu estava em ruínas. Como resultado, a FIFA teve algumas dificuldades em encontrar algum país interessado em sediar o evento, uma vez que muitos governos acreditavam que o cenário mundial não favorecia uma celebração esportiva, e também era mais importante que os recursos que seriam investidos na Copa do Mundo não fossem extraídos de outras fontes mais urgentes.

Por algum tempo, a Copa do Mundo estava em risco de não ser realizada por causa de uma falta de interesse da comunidade internacional, até que o Brasil apresentou uma proposta ao Congresso da FIFA de 1946, se oferecendo a sediar o evento, contanto que o torneio fosse realizado em 1950 (estava originalmente planejado para 1949). Brasil e Alemanha eram os principais candidatos à cancelada Copa do Mundo de 1942; uma vez que tanto os torneios de 1934 e 1938 foram sediados na Europa, historiadores do futebol geralmente concordam que o evento de 1942 provavelmente seria sediado por um país sul-americano. A nova proposta brasileira era muito semelhante a de 1942 e foi rapidamente aceita.

LOCAIS DOS JOGOS:

Seis cidades sediaram o torneio:

* Belo Horizonte, Estádio Raimundo Sampaio (Independência)

* Curitiba, Estádio Durival Britto e Silva (Vila Capanema)

* Porto Alegre, Estádio dos Eucaliptos

* Recife, Estádio Adelmar da Costa Carvalho (Estádio da Ilha do Retiro)

* Rio de Janeiro, Estádio Jornalista Mário Filho (Estádio do Maracanã)

* São Paulo, Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho (Estádio do Pacaembú)

A COMPETIÇÃO:

Na 1ª fase, o Brasil venceu por 4 a 0 o México, empatou em 2 a 2 com a Suíça (neste jogo o Brasil atuou com jogadores paulistas, pois o jogo foi no Pacaembu o único fora do Maracanã, desfigurando a seleção) e venceu a Iugoslávia por 2 a 0.

Uma das grandes decepções foi a Inglaterra, que perdeu por 1 a 0 para os Estados Unidos, numa das maiores zebras de todos os tempos. No seu grupo a classificada foi a Espanha, “a fúria”, que venceu a Inglaterra por 1 a 0, o Chile por 2 a 0 e os EUA por 3 a 1. O Uruguai só enfrentou a Bolívia em Recife e goleou 8 a 0. A Itália, bicampeã mundial, também caiu na 1ª fase, mas o time não era nem sombra de antes devido ao trágico acidente aéreo que vitimou o time inteiro do Torino, base da Squadra Azurra. Os classificados foram os suecos, que ganharam da Itália por 3 a 2 e empataram com o Paraguai em 2 x 2, garantindo passagem para a fase seguinte. Na final, um quadrangular inédito e único em copas: Brasil, Suécia, Espanha e Uruguai.

Brasil 7 a 1 na Suécia e Brasil 6 a 1 na Espanha garantiram ao Brasil uma boa vantagem frente ao Uruguai. Em 16 de julho diante de um público de 199.954 pessoas (alguns estimam cerca de 205 000 espectadores) no Maracanã, o Brasil precisava apenas empatar com o Uruguai e o troféu seria dos donos da casa. Após vitórias esmagadoras contra Espanha e Suécia, parecia certo que os brasileiros fossem ganhar o título, especialmente quando Friaça abriu o placar aos dois minutos do segundo tempo. Porém o Uruguai empatou com Juan Alberto Schiaffino e, com 11 minutos faltando para o final da partida, virou o jogo com um gol de Alcides Ghiggia, tornando-se campeões mundiais pela segunda vez.

O MARACANAÇO

O jogo final é conhecido como maracanaço, derivada uma expressão latina usada pelos adversários para provocar os brasileiros.

O silêncio tomou conta do Maracanã às 16 horas e 50 minutos do dia 16 de julho. O Brasil precisava de um empate. Saiu ganhando e perdeu por 2 a 1. Desolados, os quase 200 mil torcedores demoraram mais de meia hora para deixar o estádio. O time brasileiro fez trinta lances a gol (dezessete no primeiro tempo e treze no segundo). Os jogadores cometeram quase o dobro de faltas, um total de 21, contra apenas onze do Uruguai.

O presidente da FIFA, Jules Rimet, conta um caso curioso no seu livro La historie merveilleuse de la Cope du Monde:”Ao término do jogo, eu deveria entregar a Copa ao capitão do time vencedor. Uma vistosa guarda de honra se formaria desde a entrada do campo até o centro do gramado, onde estaria me esperando, alinhada, a equipe vencedora (naturalmente, a do Brasil). Depois que o público houvesse cantado o hino nacional, eu teria procedido a solene entrega do troféu. Faltando poucos minutos para terminar a partida (estava 1 a 1 e ao Brasil bastava apenas o empate), deixei meu lugar na tribuna de honra e, já preparando os microfones, me dirigi aos vestiários, ensurdecido com a gritaria da multidão”.

Aconselhado a descer devagar a escada até o vestiário, Jules Rimet ia acompanhado por delegados da FIFA, dirigentes brasileiros e guardas armados com a missão de proteger a taça de ouro.

“Eu seguia pelo túnel, em direção ao campo. A saída do túnel, um silêncio desolador havia tomado o lugar de todo aquele júbilo. Não havia guarda de honra, nem hino nacional, nem entrega solene. Achei-me sozinho, no meio da multidão, empurrado para todos os lados, com a Copa debaixo do braço”

Jules Rimet não conseguiu entregar a taça e decidiu se retirar. Mas logo depois voltou e Obdulio Varela recebeu a taça. Rimet disse: “Estou feliz pela vitória que vocês acabam de conquistar. Cheia de mérito, sobretudo por ter sido inesperada. Com minhas felicitações”.

Na tentativa de encontrar um culpado para a derrota do Brasil, os supersticiosos de plantão culparam a troca do local de concentração na véspera da final. O Brasil trocou a concentração de Joá pelo estádio do Vasco da Gama em São Januário. Outros culpam Flávio Costa pelas 2 horas de missa na manhã do jogo impostas pelo treinador aos jogadores, que rezaram de pé.

Tabela de 1950(clique para ampliar):

Grupo 1:

Grupo 2

Grupo 3

Grupo 4

Fase final

CURIOSIDADES:

* Brasil 7 x 1 Suécia e Brasil 6 x 1 Espanha foram as duas maiores goleadas da seleção em Copas.

* O iugoslavo Rajko Mitić bateu a cabeça em uma viga do vestiário minutos antes do jogo contra o Brasil. O atacante foi obrigado a entrar em campo com atraso. Azar da Iugoslávia. Enquanto Mitić ainda estava no vestiário para receber seu curativo, o Brasil fez 1 x 0.

* Durante a Segunda Guerra Mundial, Jules Rimet transferiu a sede da Fifa de Paris para Zurique como forma de evitar a influência nazista. Falava-se que havia um plano de Hitler para levar a entidade a Berlim.

* Várias seleções desistiram de participar da Copa, como França, Turquia, Portugal, Escócia e até Índia e Birmânia. Em geral, os países se sentiram desencorajados pelo custo da viagem até o Brasil. Mas o caso da Escócia foi raro. Superados pelos ingleses nas Eliminatórias, os escoceses achavam que não havia motivos para disputar um torneio no qual participaria a Inglaterra.

* Com a não-participação da França, Bélgica e Romênia, que haviam participado de todas as Copas anteriores, o Brasil se tornou o único país do mundo a enviar sua seleção a todas as edições do Mundial, marca que dura até os dias atuais.

* A vitória da seleção amadora dos Estados Unidos sobre a Inglaterra é considerada a maior zebra da história das Copas. Inventores do esporte, os ingleses participavam pela primeira vez de um Mundial e chegaram ao Brasil como favoritos ao título. Enquanto isso, os norte-americanos tinham uma equipe amadora, formada por imigrantes. O autor do gol foi Gaetjens, nascido no Haiti. Em 2005, foi lançado um filme sobre a partida, Duelo de Campeões.

* Enquanto o Brasil goleava a Espanha, o público cantava a marchinha “Touradas de Madri”, composta por João de Barro, o Braguinha, em 1938.

* Enquanto jogavam Brasil e Espanha no Maracanã, no Pacaembu em São Paulo, jogavam Suécia e Uruguai. O empate em 2-2 daria por antecipação o título ao Brasil, já que este goleava a Espanha por 6-1. Mas aos 40 minutos do segundo tempo (85′ no tempo corrido), Ghiggia fez o gol que deu a vitória ao Uruguai, e tirando o título por antecipação do Brasil.

* Curiosamente, o gol que Ghiggia marcou contra a Suécia foi originada de uma jogada na direita, onde ele ganhou na corrida do lateral-esquerdo sueco, chutando na saída do goleiro. De um jeito semelhante, ele fez o gol do título na final contra o Brasil no Maracanã, quatro dias depois.

* Cerca de 200 mil pessoas (cerca de 10% da população carioca na época) foram ao Maracanã para ver a decisão contra o Uruguai. Seria o maior público da história do futebol se não houvesse “apenas” 173.850 pagantes. Com isso, Brasil x Paraguai das Eliminatórias para a Copa de 1970, com 183.341, é o maior público oficial do futebol.

* Jornais da época dizem que a torcida, após a virada uruguaia, continuou incentivando a seleção brasileira, o que vai contra a lenda de que o Maracanã se silenciou nos minutos finais.

* A Itália tentou defender seu título com uma equipe fraca devido ao desastre de Superga, acidente aéreo que matou todo o time do Torino (base da Azzurra) em 1949.

* Existe uma lenda no Maracanã que, devido a quantidade de pessoas na final (200.000 presentes), as pessoas tinham que ficar em pé e de lado para que coubesse todos no estádio.

É isso aí, no próximo post, vou colocar as histórias das copas de 1954 a 1966, período em que o Brasil se sagrou bicampeão mundial de futebol.

Read Full Post »

Cá Minhando

Só algumas histórias

SporeModding

Modificações, tutoriais, dicas e notícias sobre o universo Spore!

Seleção Brasileira Todos os Jogos

Todos os Jogos da Seleção Brasileira desde 1914

CORINTHIANS - Uma Nação

Histórias e notícias de um grande clube

Matt on Not-WordPress

Stuff and things.

BLOG DO RONALDO

Um espaço para reflexão sobre a vida e a sociedade

blog into mystery

Celebrating the Best and Worst in Comics

colmhogan.wordpress.com/

Music, Culture & Technology.

Cavalcade of Awesome

All Pax. All Nude. All the Time.

backtothemusic

time travelling through iTunes

%d blogueiros gostam disto: