Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \11\-03:00 2019

Naquele dia, todos se lembram o que estava fazendo no exato momento, era meu último dia de férias, no meu antigo trabalho, me lembro perfeitamente, estava deitado no sofá, vendo um partida de tênis, não é o meu esporte preferido, mas me lembro que era um confronto entre uma tenista brasileira, com talvez, uma adversária estrangeira.

O canal chamou interrompeu a partida para uma notícia urgente,

A primeira imagem que vi, foi aquela fumaça dos escombros caindo no meio da avenida, um dos prédios já havia caído, restava um em chamas, com um baita buraco na lateral.

Pode se dizer que esse dia foi um dos mais marcantes da história.

A partir daqui texto do GAUCHAZH

Os atentados terroristas do 11 de setembro de 2001, patrocinados pela rede Al-Queda, de Osama Bin Laden, desencadearam uma série de outros eventos críticos que deram início à chamada década do terror, período de grandes tensões internacionais e insegurança permanente com os atentados que se seguiram. Bali (2002), a sede da ONU no Iraque (2003) — que vitimou o diplomata brasileiro Sergio Vieira de Melo — e nos metros de Madri (2004) e Londres (2005) — este último, resultando na morte do brasileiro, Jean Charles de Menezes, confundido pela polícia como terrorista. Observamos ainda, em decorrência do 11 de setembro, a invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos (2001) e do Iraque pelas tropas de coalizão (2003), com o objetivo de desmantelar a Al-Qaeda.

Seguindo esta sinistra cronologia, a rede manteve suas ações em larga escala com a explosão de um trem em Nova Délhi e um atentado suicida em Karaschi (2007), a explosão no Hotel Marriot, em Islamabad, e uma série de atentados simultâneos na área urbana de Mumbai, (2008), seguidos pela explosão em um metrô em Moscou (2010).

Inegavelmente, iniciamos o novo século com insegurança e medo, e essas percepções estão sendo demasiadamente longas. O mundo havia se tornado mais violento, com o fim do sonho das fronteiras abertas, do multiculturalismo e de uma paz duradoura, acalentado após o término da Guerra Fria. Essa mudança ocorreria, em grande medida, com o surgimento de uma nova e letal ameaça trazida pelo radicalismo ou extremismo islâmico e seu conceito de jihad global, perpetuando ações de extrema violência, indiscriminadas e revestidas do caráter de imprevisibilidade.

Acreditava-se que com a captura de seu líder maior e a neutralização das principais lideranças, somadas ao uso de tecnologias cibernéticas, criação de novas legislações mais rígidas de contraterrorismo e monitoramento e vigilância massiva das comunicações online dos cidadãos, estaríamos mais seguros contra a voracidade da Al-Qaeda, outro desejo que não se concretizou. A contrário sensu, ela se fragmentou, dando lugar a outro grupo, denominado Estado Islâmico, ainda mais violento e com potencial midiático e econômico para recrutar simpatizantes, incluindo ocidentais, atuando em qualquer parte, mesmo às vistas das forças de defesa e segurança.

Diante desse contexto, o Conselho de Segurança das Nações Unidas, reconheceu por meio da Resolução nº 2.178, de 24 de setembro de 2014, que o terrorismo internacional não poderia ser vencido, exclusivamente, com o emprego da força bélica, sugerindo a seus Estados-Membros o fortalecimento das medidas de segurança interna.

Como consequência, a segurança foi a área que mais obteve incrementos para a modernização tecnológica, seguidos da multiplicação de agências de inteligência locais e internacionais.

Deu-se início a medidas de maior controle e vigilância em portos e aeroportos, especialmente no que diz respeito ao controle de entrada e saída de turistas, monitoramento da web, maior rigidez nas normas que regulam o processo de imigração e outras medidas de caráter preventivo. Tais medidas, ainda são objeto de contestação por defensores de direitos humanos, pois, segundo estes, impactaram na privacidade e na redução dos direitos e garantias individuais dos cidadãos.

De todo modo, o Estado Islâmico daria continuidade a mais uma década do terror, uma vez que, entre os anos de 2015 e 2018, foi responsável por uma série de atentados na Alemanha, Bélgica, Espanha, França e no Reino Unido, com destaque para os atentados à revista Charlie Hebdo e em casas noturnas de Paris, além dos atropelamentos coletivos em cidades como NiceBerlimBarcelona e Londres. Impressiona o fato de que, após gastos na ordem de trilhões de dólares e com a adoção de todas as medidas acima citadas, não se obteve êxito em prever estes ataques, realizados com baixíssimo custo, basicamente, com meios de fortuna.

Em 2019, em razão dos fracassos sucessivos e perdas humanas e de poder econômico no conflito da Síria, poderíamos ficar propensos a concluir que o grupo terrorista Estado Islâmico estaria em sua fase terminal. Todavia, a exemplo do que ocorreu com a Al-Qaeda, sua ideologia permanece na consciência de milhares de radicalizados que aguardam nova oportunidade. Os efeitos nefastos do radicalismo ideológico, em quaisquer de suas manifestações, é a principal lição apreendida com o 11 de setembro.

Read Full Post »

 

O Brasil vive uma das piores fases na área política, temos um governo perdido, temos um governo que pouco vai fazer.

Mas como foi que o Brasil se tornou um país que não temos uma classe política atuante e que não trabalha no bem da sociedade?

Por que a classe política no Brasil é predatória?

Primeiramente, o que é um predador? Um superpredador  também conhecido como predador alfa, é um tipo de predador que está no topo de uma cadeia alimentar, ou seja, quando não há outras criaturas superiores. … Seres desse tipo não precisam ser hipercanívoros: os seres humanos, por exemplo, são predadores e onívoros.

Ou seja, a classe politica por anos e décadas, tiram do povo tudo que podem, tiram do povo como um leão tira dos pobres coitados herbívoros nas savanas africanas, só que o leão, precisa se alimentar dessa forma, os animais carnívoros tem suas necessidades de sobrevivência, já os políticos…

Gastamos milhões e milhões para pagarmos os salários e as grandes despesas dessa classe na sociedade?

O que recebemos em troca? Um salário mínimo, insignificante em relação há muitos países do mundo, paga-se um dos mais altos impostos do mundo, a taxa de desemprego só aumenta no Brasil, filas imensas nos hospitais, e chega na época de eleições o que acontece? Os políticos saem a caça.

Um politico se sente um deus, se sente no topo da cadeia alimentar.

Mas o problema não é isso, o problema é o nosso povo não colocar esses “predadores” no seu devido lugar.

Como pode um ser em plena consciência, não saber a importância que a Amazônia tem para o povo brasileiro, para os sul-americanos e para o Planeta Terra, que é a verdadeira dona da Amazônia.

Isso é pensar como um predador, é pensar num ser que somente quer destruir, e por que a classe política e muito setores da imprensa não atacam veementemente essas atitudes? Será porque pensam igual e por isso agiriam da mesma forma.

Podemos mudar tudo isso, se não agirmos como gado, como seres que estão a mercê dos predadores.

É preciso se defender, saber seu lugar na sociedade, e dizer que o político é somente um empregado do povo.

A forma mais positiva de terminar esse post, é dizer que o povo deve se antenar, deve saber em quem votou e cobrar, dizer para ele ou ela, que é seu empregado, que está lá no congresso nacional por causa de seu voto.

E dizer ao politico que o Brasil é do povo, que o Brasil é nosso.

 

 

 

Read Full Post »

Juarez Barcellos

Educação musical

Cá Minhando

Só algumas histórias

SporeModding

Modificações, tutoriais, dicas e notícias sobre o universo Spore!

CORINTHIANS - Uma Nação

Histórias e notícias de um grande clube

BLOG DO RONALDO

Um espaço para reflexão sobre a vida e a sociedade

blog into mystery

Celebrating the Best and Worst in Comics

colmhogan.wordpress.com/

Music, Culture & Technology.

Cavalcade of Awesome

All Pax. All Nude. All the Time.

backtothemusic

time travelling through iTunes

%d blogueiros gostam disto: